quarta-feira, maio 09, 2007

Lado a lado com o Lobo

Trabalhar onde estou trabalhando tem algumas vantagens. Uma delas é o prazer de poder ler, gratuitamente, os artigos desta grande figura chamada Fausto Wolff. Ele me faz entender claramente o quanto eu sou medíocre e quanta grama preciso comer para ser, no futuro, um bom jornalista. Reproduzo na íntegra o artigo da última sexta, que trata de um tema que me é muito caro, as mulheres e sua indecisão eterna. A minha identificação, com o articulista, é total!



Fausto Wolff
04/05/2007

Descobri o que elas querem, dr. Freud!

Ah, as mulheres! Já tentei me imaginar uma. Não consigo. A idéia de algum malandro passar a mão na minha bunda me faz vomitar na hora. Já imaginaram, então, trazer cerveja para um bando de vagabundos jogando pôquer? Não dá. É mais fácil me imaginar cachorro ou jacaré. Entretanto, já nadamos dentro delas e por mais que nos façam infelizes continuamos gostando delas. Nada na vida teria graça sem elas, entre uma corrida de cavalos e outra, por exemplo. Todas as vezes em que estive no topo do mundo ou filando cerveja num balcão sujo de bar é porque havia no horizonte uma mulher. Não me perguntem as coisas que já fiz por mulher, pois não sou maluco de contar. Transitei por todo o espectro do patético ao sublime. Deveria entendê-las, mas, como Freud, ainda não consegui. E olhem que comecei cedo, com a mãe de um coleguinha de escola. Foi quando descobri que mães também "davam". Mais tarde, para meu espanto, depois de uma briga com meu irmão mais velho, soube que todas as mães do mundo já haviam dado uma vez.

Para entender o que a mulher quer é preciso entender o homem. O homem quer poder. E dinheiro para desfrutá-lo. Ser bonito não importa. Para a mulher isso é secundário. O homem foi feito para a guerra, para dominar o mundo. A mulher não quer o mundo. Basta-lhe a casa e a família (o marido, principalmente) para mandar. Certa vez cheguei a pensar que se o homem não fosse um acessório indispensável na vida delas, nem precisariam dele. As mulheres se vestem, por exemplo, para as outras mulheres, às quais odeiam. Bisavós, avós, mães, filhas, todas só querem ver o homem na coleira, e o fazem de um modo tão sutil que ele nem consegue ver a coleira e abana o rabo. A ex-mulher do Eike não o convenceu de que ela deveria sair quase pelada na Sapucaí e ele não entendeu? Pois é.

O homem é um esteta por excelência. Não há nem nunca houve nada mais bonito que mulher. Nem fjord na Noruega nem aurora no Pantanal. Uma vez conheci uma mulher tão bonita que minha reação foi bater com a cabeça contra uma árvore até a testa sangrar. Não havia no meu vocabulário uma palavra que definisse aquela beleza e, ao mesmo tempo, satisfizesse o meu coração e o meu sexo. Até a mulher feia é bonita. Sério.

Há anos tive uma discussão com o Nani sobre isso. Ele dizia que a atração era mútua e que as possibilidades do homem conquistar uma mulher eram as mesmas da mulher conquistar o homem. Na época eu era jovem, magro, e não fazia feio em matéria de cara. Fiquei uma hora na esquina de Santa Clara com Copacabana paquerando todas as mulheres e nada. Paguei uma cachaça para uma mendiga que era uma síntese de feiúra em essência. Dei-lhe as instruções e, menos de três minutos depois, já surgia um mocorongo tentando levá-la para a cama. É claro que, eventualmente, a mulher leva a pior, mas é raro. Cheguei a uma vetusta idade onde outras coisas me preocupam além do sexo. Como fazer um Viagra para bebuns, por exemplo.

Por isso darei às mulheres alguns conselhos que fortalecerão nossa relação. Peitos e popôs foram feitos para serem admirados e não finjam que não gostam. Aprendam a manejar o assento da privada. Deixem-no levantado para nós, como nós o deixamos abaixado para vocês. Sábado: turfe à tarde e teatro à noite. Fazer compras não é um esporte. Para nós, shopping é sacrifício. Choro é chantagem. Peçam o que quiserem, mas deixem isso bem claro.

Dicas sutis, óbvias ou grossas não funcionam, pois fingiremos não entendê-las. Sim e não são respostas perfeitamente aceitáveis. Se a dor de cabeça persistir por mais de uma semana, consulte um médico. Tudo aquilo que dissemos seis meses atrás não será admitido como argumento. Aliás, todos os nossos argumentos tornam-se sem efeito depois de uma semana. Se vocês acham que estão gordas, provavelmente estão, não nos perguntem.

Se algo que dissermos pode ser interpretado de duas formas, boa e má, escolha sempre a primeira. Procurem dizer o que têm a dizer durante os comerciais. Pêssego é uma fruta, abóbora é um legume. Não são cores. Jamais saberemos o que é fúcsia. Sim, vocês têm roupas e sapatos demais e eu estou em forma porque redondo é uma forma. Finalmente nós homens aprendemos depois de séculos. Aquele negócio de passar dias sem falar pode dar errado. Já descobrimos que não falando a gente se entende. Não exigimos subserviência, mas, quando voltar a falar, faça-o com naturalidade e boas maneiras. Acho que é só, por enquanto.

::: Bravo!!! :::

Nenhum comentário: