quinta-feira, setembro 30, 2004

Apesar de tudo, o empate

Cheguei cedo em casa e esperei pacientemente o fim da interminável novela para poder sofrer um pouco mais com o Glorioso Botafogo de Futebol e Regatas. Uma raridade dessa emissora que só gosta de mostrar o vermelho e preto, mas vamos ao jogo.

Os dois times começaram muito mal na partida, com seguidos erros de passes. A Ponte Preta, da mesma forma que o Paraná no domingo, baixou o sarrafo nos atletas alvinegros. Contando com a boa vontade do juiz, que marcou poucas faltas a nosso favor. Uma das que ele deixou de marcar, foi um pênalti escandaloso de Luiz Carlos que aplicou um Ippon em Schwenck dentro da área aos 15. Pouco depois, numa disputa de bola, os dois voltaram a se estranhar. E ao levantar do chão, Schwenck passou a mão no rosto do zagueiro, sem configurar uma agressão. Tanto é que ele não se jogou no chão, como é comum nessas ocasiões. Ato contínuo: o bandeira chama o juiz, interrompe o jogo e este expulsa o nosso atacante sem o menor motivo.

Tudo bem, os juízes tentam atrapalhar o Botafogo na maioria dos jogos, nada demais. O legal é isso aqui: Locutor pergunta para o competente comentarista: "E agora, Noronha? Como fica a situação do Botafogo?" Ele responde: "É, Cléber. Agora sem o seu principal atacante vai ficar muito difícil para o Botafogo fazer gols aqui em Campinas."

Menos de um minuto depois: Ricardinho avança pela direita, vai até a linha de fundo, cruza e Caio faz um 1x0 para o Botafogo. Só dá tempo de abrir a janela e gritar: Noronha, ENFIA SUA LÌNGUA NO RABO!!! Aos 44, a macaca marca o gol de empate, que é anulado corretamente pelo juiz devido ao impedimento do atacante. A câmera ENVIESADA da vênus platinada mostra o atacante na mesma linha do zagueiro no momento do passe, mas basta mudar para a Record, cuja câmera foi colocada no ângulo correto para verificar que o rapaz realmente estava impedido.

Segundo tempo e a Ponte empata logo aos 4 minutos, num gol contra de Ruy, após cruzamento despretensioso de Roger. Mais alguns minutos e Márcio Rezende inventa um pênalti no qual a bola apenas bate no braço de Gustavo, sem que esse tenha qualquer intuito de desviá-la, até porque ela estava indo para bem longe do gol. Lindomar bate e faz o gol, mas o juiz manda voltar porque nada menos que seis jogadores da ponte invadiram a área. Lindomar bate de novo, mas dessa vez o goleiro campeão mundial sub-20 Jefferson voa e defende, garantindo a velha máxima de que pênalti roubado não entra.

Mais alguns minutos e acaba o jogo, e como o Vitória perdeu, o Botafogo fica pela segunda rodada seguida fora da zona das trevas. Sábado jogaremos contra aquele time da terceira divisão que tem como principal jogador um sujeito que deveria estar preso por homicídio. Vamos ao Maraca. Sou alvinegro e não desisto nunca!

quarta-feira, setembro 29, 2004

Infernizando o contribuinte no domingo de manhã

Estava tentando dormir a muito custo no domingo de manhã, quando fui acordado por explosões vindas da direção da praia. Como sempre tem eventos na praia no domingo, xinguei um monte, virei para o lado e tentei voltar a dormir. Mas não deu, o barulho estava bem mais alto que o usual. Levantei, saí e fui ver o que era: um trio elétrico do PT!!!

Acredite, um "showmício", ou seja lá como os marketeiros chamam esse tipo de evento, do Bittar com o Antônio Pitanga, candidato a vereador e marido de Benedita da Silva. Isso foi lá pelas 11 da manhã, o público? 50 mil? 10 mil? Mil? Quanta bondade, você nunca vai acertar... consegui contar, a muito custo, 37(?!) testemunhas presentes ao ato! E pelo menos 90% deles aparentavam estar ali apenas porque receberam dinheiro pra isso e estavam loucos pra se mandar.

O pior é que depois dos discursos dos candidatos, o caminhão continuou ligado no volume máximo com um show de pagode. E não era playback, não! Era um show ao vivo! Pensou que não tinha mais como piorar? Sempre tem: após o show de pagode, começou um show de... funk! Esse sim na base do CD tocando, mas com uns dançarinos patéticos em cima do caminhão. Lá pelas duas da tarde, finalmente eles se mancaram e foram embora. Se eu fosse afiliado do partido, certamente entraria com um processo para verificar porque o dinheiro é tão mal gasto...

Pra não dizerem que só ataco o PT, outros candidatos usaram a mesma estratégia de irritar o contribuinte/eleitor logo cedo nesse que foi o último domingo da campanha, inclusive o prefeito César Maia, que além disso foi acusado pelos adversários de cooptar servidores municipais para participar do seu evento. Será que alguém se prestaria a esse papel??

::: Por isso, que eu digo: Vote 99!:::

segunda-feira, setembro 27, 2004

Uma banda de comercial de refrigerantes

Como eu ia dizendo, ao chegar em Niterói para ver mais um jogo do Glorioso me deparei com uma horda de fãs da tal banda Jota Quest. Aliás, esse é um dos primeiros sintomas da falta de personalidade do grupo, cujo primeiro nome era J.Quest, numa "homenagem" ao desenho homônimo da Hanna Barbera. Para surpresa até deles próprios, a banda começou a decolar e antes que o departamento jurídico da empresa americana os "convidasse gentilmente" a mudar de nome, eles o fizeram por conta própria.

Por quê a minha revolta? Eles se definem como banda de rock. Mas rock está longe de ser o que esses caras fazem. Ficaram famosos depois de ceder (em troca de gordos cachês, diga-se)dois de seus fonogramas para um banco e um comercial de fanta, sem contar, é claro, o jabazão feito pela gravadora deles que tratou de enfiar as músicas pobres de melodia e de versos risíveis nas rádios e televisões de todo o Brasil. Não custa lembrar que rock não é só guitarra-baixo-e-bateria, mas sim um estado de espírito, que esses sujeitos definitivamente não tem, e não há departamento de marketing que compre!

Pra não dizer que sou totalmente injusto, devo dizer que o som do Jota Quest poderia ser definido como um dance/pop rasteiro e fajuto. Daí, parto para o exame da fila: muitas e muitas garotinhas na faixa entre 10 e 14 anos de idade (será que não tinha censura nesse show??). A maioria vestida de putinha com enormes decotes, microsaias, calças coladíssimas e variantes combinações. Pareciam todas fugidas do shopping. Também havia aquela minoria persistente porém notável de viadinhos (vá lá, metrossexuais) anoréxicos todos aparentando ter saído do shopping para a Le Boy e de lá direto para o show.

Fechando o cenário dantesco, os organizadores marcaram o show para o mesmo horário do jogo, o que por si só é uma temeridade (em termos de policiamento e transporte, por exemplo). Além disso, um deles declarou que haveria mais gente no show do que no jogo! Então tá, vamos combinar que o preço do ingresso do show foi de R$80 (!!!) e o do camarote vip (sic)... R$150,00. Com direito a dar de cara com o Romário!! Lamentável! Realmente estivemos em menor número no estádio, mas com certeza o ginásio tremeu nas nossas cinco comemorações (os 4 gols e o final da partida) e sentiu o peso, a presença e a força da torcida alvinegra!

::Melhor parar por aqui...:::

domingo, setembro 26, 2004

Sou alvinegro e não desisto nunca!

Entrei no arquibancada C às seis em ponto... e o jogo já estava com dois minutos! Tudo bem, o estádio estava surpreendentemente cheio, apesar do horário indecente e da campanha do time idem. O time se arrasta em campo com a lentidão de Carlos Alberto, os passes errados de Valdo e a inoperância do estreante Caio que não contente em ser ex-molambo ainda por cima é paulista!

Aos 15, começa o pesadelo. 0x1 Paraná numa falha de Jefferson que espalmou um chute fraco para dentro do gol. Aos 34 quando o time buscava força para reagir, um gol de falta do adversário. 0x2. Olhei para o céu e perguntei: Será que a gente merece isso? Certamente não, mas a tal da torcida fúria jovem com certeza sim. Ela vaiou, xingou e perseguiu implacavelemente todos os jogadores que estavam em campo, em especial o lateral-direito Ruy que reagiu aos xingamentos com gestos obscenos.

Mesmo jogando mal, o Glorioso diminuiu aos 46 pelos pés do estreante Caio após rebote do goleiro. Intervalo, e uns gaiatos penduram uma faixa pouco acima de onde eu estava onde se lia: "Fora Bebeto, Basta!" Rapidamente começaram as manifestações contrárias e antes que os três infelizes fossem literalmente linchados a PM chegou, arrancou a faixa, e os levou para outro lugar, possivelmente a arquibancada B onde fica a fúria e onde, logo depois, a faixa foi reerguida.

O time vem com uma substituição para o segundo tempo: Ricardinho no lugar de Almir. Não gostei, porque não acho justo que ele seja o bode expiatório da incompetência alheia, além disso tinha outros jogando muito pior do que ele como já disse lá em cima. O jogo recomeça e o glorioso vai pra cima do Paraná que tenta se defender a todo custo principalmente na base de socos, pontapés e outras grosserias numa média de duas faltas por minuto.

Para alívio e surpresa geral, aos 8 minutos o homem de uma vogal só (Schwenck)arranca da intermediária e toca na saída do goleiro, 2x2. A torcida pula e grita em uníssono, nos três setores: "EI, FÚRIA, VAI TOMAR NO CÚ!!!" "EI, FÚRIA, VAI TOMAR NO CÚ!!!". A pressão continua e três minutos depois Caio cruza da direita, para Ricardinho também fazer seu primeiro gol com a camisa alvinegra. Todos comemoram como há muito tempo não se via, o lateral Ruy que começou a jogada sobe no alambrado e comemora conosco. E o coro só aumenta: "EI, FÚRIA, VAI TOMAR NO CÚ!!!" "EI, FÚRIA, VAI TOMAR NO CÚ!!!"

Aos 42, Ricardinho deu mais um passe açucarado para o limitado Schwenck que dessa vez não teve como errar e fez o quarto gol. Enquanto isso, em Santos... o líder do campeonato fez a sua parte e enfiou 4 no Vitória da Bahia que trocou de posição conosco e finalmente nos tirou desse lugar terrível chamado zona de rebaixamento. Como diz o chavão, que tento evitar mas devo repetir à exaustão nessa nova fase do blog, há coisas que só acontecem ao Botafogo e já nos acréscimos levamos o terceiro gol numa cobrança de falta ridícula. Felizmente não deu nem para a saída: foi o último lance da partida. Final (feliz) 4x3 Glorioso e um grito que não quer calar: "EI, FÚRIA, VAI TOMAR NO CÚ!!!"

Depois do jogo fui ao Compão fazer aquele lanche esperto para repor as energias gastas em tanta gritaria. Voltei ao Caio Martins ainda em tempo de encontrar meu amigo e ídolo Gustavo Henrique que é repórter da Rádio Tupi e me deu uma carona com direito a várias notícias de bastidores que a gente não lê nem ouve por aí... Só não divulgo para não criar problemas para ele. E que venha a Ponte Preta na quarta-feira!

:::Meus amigos perguntam (até mesmo os alvinegros) porque vou a todos os jogos e eis a resposta: PORQUE SOU ALVINEGRO E NÃO DESISTO NUNCA!!!:::

Um domingo estranho...

É... foi um domingo muito estranho! Começou com mais uma vitória do Capachão, a sua segunda seguida em 2004, na estréia do Grande Prêmio da China. Depois tive minha manhã de domingo perturbada por um comício fracassado do Bittar em frente à minha casa!! (matéria do próximo post)

E depois do almoço lá fui eu para Niterói cumprir minha sina: sofrer vendo um jogo do Glorioso. Minha irmã ainda tentou me impedir: "Não quer ir ao cinema comigo? Vamos ver 'A Supremacia Bourne'?" Respondi que preferia ver isso aí outra hora (de preferência, nunca!) e me mandei.

Chego ao Caio Martins às 17:20, portanto quase uma hora antes do jogo, o que é um espanto já que sempre chego atrasado aos jogos. Há uma fila ENORME do lado de fora do estádio, mas não é para assistir à partida entre Botafogo e Paraná, sim para assistir o show do Jota Quest (?!) marcado no ginásio ao lado do estádio na mesma hora do jogo!! (Vai ter outro post comentando essa estupidez também)

Como estava cedo demais para entrar fui no bar da Lopes Trovão com a João Pessoa dar uma espiada no jogo dos nossos amigos! Surpresa desagradável: eles estavam ganhando de 1x0! Lá em Curitiba! E o vasquinho levando um gol atrás do outro do Palmeiras dentro da favela! Já tava pensando: que dia triste, só falta a gente perder aqui! De repente Washington recebe a bola de costas para o gol, gira em cima do zagueiro molambo com toda a tranquilidade, e empurra para o gol! O bar todo pula e grita junto como se fosse gol do Botafogo! Mais dois minutos (44 do segundo tempo) e um cruzamento errado resulta numa saída bisonha do goleirinho burronegro que insistem em tentar me fazer engolir que é o melhor do Brasil (faz-me rir...). A bola pára e ele ainda dá mais uns dois passos antes de parar. Quando ele tenta voltar, o nosso grandalhão Washington que já tinha recuperado a bola e estava pronto para estufar a rede é agarrado e derrubado no melhor estilo IPPON. Pênalti escandaloso, uma pena que o juiz "esqueceu" de expulsar o marido de Susana Werner.

Washington ajeita, bate e marca o gol da virada no último minuto. Levando à loucura os atleticanos presentes na Arena da Baixada, e no nosso barzinho pessoas que não se conhecem se abraçando, pulando, festejando e cantando o hino do Botafogo! Rivalidade é isso aí! Acaba a pelada e tudo volta ao normal com mais uma derrota do time da globo. Hora de fazer o dever de casa. Vamos lá?

sexta-feira, setembro 24, 2004

Adeus, Ruinzão!

Luizão não é mais jogador do Botafogo: Rescisão de contrato ocorre de forma amigável entre clube e jogador

O ataque do Botafogo perdeu seu artilheiro no Campeonato Brasileiro. Ainda em recuperação de uma cirurgia no joelho Luizão procurou o clube buscando o seu desligamento. "Não jogaria mais esse ano pelo clube e por isso achei que não seria justo com o ficar sem jogar e recebendo. Me desligando eu abro mão dos meus salários até o fim do ano", disse o jogador, que ainda mantém o posto de artilheiro da equipe no Campeonato Brasileiro com nove gols em quinze jogos.

Luizão também fez questão de fazer uma balanço da sua passagem pelo Botafogo. "Em todos esses meses que passei no clube eu me dediquei ao máximo no meu trabalho. Chegava cedo nos treinos e lutava muito em campo, em todos os quinze jogos que fiz. Disse que a torcida podia me cobrar a partir da quinta rodada e aí comecei a marcar os gols", lembrou o jogador que desfez qualquer tipo de polêmica envolvendo o departamento médico do clube. "Eu gosto de todo mundo lá. Fiz a segunda operação no joelho em Campinas com o Wilson Melo com o aval deles, indicado por eles", afirmou o jogador.

O presidente Bebeto de Freitas lamentou a saída do atacante mas enalteceu sua atitude. "É claro que por mim ele ficaria no clube mas eu só posso elogiar a decisão dele de pedir o desligamento por querer aliviar a folha do clube. Iso é raro no futebol e prova o caráter Luiz, que desde que chegou sempre foi muito correto com todos nós".



Que notícia boa! Essa eu peguei no site do Botafogo, já que estranhamente a imprensa esportiva ignorou o assunto. Bem, conhecendo o longo prontuário, digo, histórico do "atleta" só posso agardecer ao rapaz por ter tomado essa decisão. Poupando assim aproximadamente R$360.000 dos combalidos cofres alvinegtos até o final de 2004.

Ah, essa notícia em alto-astral é o maior caô porque o Ruinzão vivia às turras com o departamento médico do clube, que fez tudo que era possível para devolver o "atleta" ao elenco, já que ele só queria saber de calçar o famoso "chinelinho". Mas como sabiamente declarou um dos médicos, Márcio Cunha, esse é o QUARTO clube (Grêmio, Corinthians, Hertha Berlim e Botafogo) pelo qual Ruinzão passa sem terminar o contrato, deve haver um bom motivo para isso...

::: Quem lembra dele nos tempos de Vasco (movidos a cachaça, uísque e putaria) e o viu jogando futevôlei alegremente na praia da Barra com seus amigos Romário e Assassino, enquanto o time que lhe pagava esse salário miúdo, rigorosamente em dia, jogava desfalcado "por motivo de contusão" talvez encontre uma explicação para a bem-vinda rescisão do contrato.:::

terça-feira, setembro 21, 2004

Para meus amigos pseudocomunistas...

O DILEMA DO VOTO DE LEGENDA NO PT DO RIO

Aliança com PTB desencoraja militantes a votar no número 13


Depois de assistir a seus tradicionais militantes darem lugar a cabos eleitorais profissionais, o PT do Rio se prepara para ver nas urnas uma cena inédita que já se anuncia na ruas: o partido não pode mais ser traduzido no voto de legenda que consagrou, e elegerá menos vereadores por isso. Grande o suficiente para ter em seu elenco personagens polêmicos (como Jorge Babu, que tenta a reeleição), ao se coligar com o PTB, antagonista histórico, a legenda do PT também carregará consigo, nestas eleições proporcionais, candidatos como Carlos Bolsonaro, filho do deputado federal petebista Jair Bolsonaro - que os petistas renegam por ter defendido a ditadura militar e pregar a pena de morte - e Cristiane Brasil, filha do presidente do partido, Roberto Jefferson.

Final infeliz para militantes como Alfredo Melo, dono do bar Bip Bip, em Copacabana:
- O petista mesmo, que sempre votou no PT, jamais vai votar na legenda nesta eleição.
Segundo a antropóloga Karina Kuschnir, que pesquisou 140 panfletos na última campanha, com exceção do PT, outros partidos não deram ênfase em suas legendas em 2002. Mas isso deve mudar agora.

- O voto no 13 vai ser menor, ao menos na capital. A queda do voto na legenda do PT está diretamente ligada à perda de identidade do partido e às alianças - analisa o deputado federal Chico Alencar (PT). - Chegamos a um ponto em que precisamos reforçar a ala petista do PT. Temos duas batalhas a travar. Uma é a reestruturação do partido e a outra é a reforma política, em que trabalho, na comissão de reforma partidária, empenhado em proibir a coligação nas eleições proporcionais.

O deputado federal Antônio Carlos Biscaia (PT) é um dos mais preocupados com o fato de o PT ajudar a eleger Carlos Bolsonaro e Cristiane Brasil:
- São duas vagas que o partido deverá perder. É claro que chegar ao governo exige alianças, mas algumas afetam o eleitorado. Principalmente o que tem opinião e escolaridade. O patrimônio ético sempre foi prioridade do PT.

Para Jair Bolsonaro - que aconselhou Carlos a não aparecer no programa de Jorge Bittar (PT) e está saindo às ruas para panfletar pelo filho com camisa do prefeito Cesar Maia, candidato à reeleição pelo PFL - alguns petebistas não precisam do PT:
- Este partido acabou no Rio. Enquanto meu garoto deve ter uns 30 mil votos, periga eles só elegerem o Edson Santos.

Acesa a luz vermelha no PT, o presidente regional do partido, Gilberto Palmares, marcou uma plenária para discutir a campanha de Bittar e o reforço de candidaturas petistas a vereador:
- A coligação com o PTB foi importante, principalmente para aumentar nosso tempo na TV. Não faremos campanha desencorajando o voto na legenda, mas proporemos medidas como o voto nos candidatos cujo número começa com 13.



Essa matéria saiu num cantinho de página do Globo de domingo, e comprova mais uma vez algumas das minha teses:

1 O PT pode ser tão corrupto e incoerente quanto os outros, apesar da construção de imagem que vem sendo feita ao longo dos anos tentando enfiar na cabeça das pessoas de que se trata de um partido casto, puro, fiel à ideologia, e honesto com seus eleitores.

2 As eleições que vêm aí no dia 3 são uma grande FARSA, principalmente no que diz respeito às chamadas eleições proporcionais, uma bizarrice jurídica que só encontra paralelo em um país do mundo: a Finlândia. A grosso modo a coisa funciona assim: os partidos podem se coligar para tentar obter mais espaço no horário eleitoral (nesse caso para escolha dos vereadores) e com isso mais chances de conseguir votos. Além de votar nos candidatos, é possível votar no número do partido, conhecido como "voto de legenda".

Assim, se o candidato Fulano somar 500.000 votos mas o seu partido tiver uma votação inexpressiva no total e um candidato Beltrano conseguir 500 votos mas pertença a outra coligação que obtiver mais votos de legenda, o seu voto vai para o LIXO, porque é o Beltrano que vai conquistar a vaga na câmara municipal. Trocando em miúdos, você VOTA... mas NÃO ELEGE o seu candidato! Existem inúmeros casos em que ocorreu isso que eu relatei, assim que saírem as listas com a votação coloco um exemplo bem claro de como isso funciona. Por isso, nessas eleições vote 99999 e dê uma banana para essa grande mentira!

segunda-feira, setembro 20, 2004

Vote 99!! Vote no Bode!

DEU BODE NA CAMPANHA


Em Goiás, animal é escolhido pelo PT para pedir voto nulo


BRASÍLIA. Em Alexânia (GO), a 90 quilômetros de Brasília, um candidato inusitado agita a campanha eleitoral: um bode, lançado por um grupo de dissidentes do PT insatisfeitos com a coligação com PMDB e PFL. O animal entrou na disputa pela prefeitura há cerca de um mês. O propósito do PT local é tentar anular a eleição, pregando o voto para prefeito no número 99 -- que será nulo, porque não está registrado na Justiça Eleitoral.

Segundo o ministro Carlos Velloso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se, em uma eleição, ocorrerem mais votos nulos do que o total destinado ao candidato mais votado, o pleito é anulado e é preciso fazer outra votação.

Quando sai para desfilar pelas ruas com uma bandeira do PT nas costas, o bode faz a alegria da meninada. Manso, o animal, em dias de mais movimento, é levado para fazer campanha em cima de um pequeno trio elétrico, puxado por uma caminhonete. A campanha tem até jingle: "De quem é esse bode, de quem é esse bode, de quem é esse bode, ele é do PT", numa paródia de uma música de Genival Lacerda sobre o jegue.

Com quatro anos de idade, o bode não tinha nome e vivia numa fazenda próxima à cidade. Agora é chamado de Nulo. Segundo Osni Calixto, que se auto-intitula publicitário e assessor de imprensa do bode, o bicho chegou a ser lançado candidato com o número 13 do PT, mas o diretório regional do partido vetou o uso do número.

- A intenção é protestar - afirma Calixto, explicando que o PT em Alexânia queria a candidatura própria mas foi vencido.

- Sou eleitora do bode e acho que ele pode ganhar a eleição. Faltam alternativas - disse a moradora Beth Bernardes.



Essa matéria saiu no Globo semana passada e fiz questão de guardar. Claro que eles colocaram esse caso de forma folclórica, mas eu acredito e gostaria mesmo de ver os eleitores agindo dessa forma, não só na cidadezinha de Goiás, mas também nas grandes capitais. Já pensou que beleza??

Finalmente consegui adesões à campanha que venho fazendo desde 1998 quando votei pela primeira vez: Anulem o voto! Anular é a melhor opção. Não vote em ladrões, não vote em despreparados, não vote em alianças espúrias! 99 é a solução, anular a eleição! Crivella, Não!

::: Hehe, fez até rima! :::

Tirando a poeira...

É, já passou um ano desde que comecei com esse negócio. Meio devagar é verdade, mas isso se deve em grande parte aos viados incompetentes que eu tentei contratar para dar uma consultoria de webdesign, já que nada entendo de HTML, Java, códigos, et cetera. Agora que o blogger deu uma melhorada (e sem cobrar nada, o que é um espanto!!) mudei o layout para algo mais próximo daquilo que eu gostaria e vamos tentar atualizar com alguma frequência. Vou começar a divulgá-lo também, afinal não faz sentido ter um blog se os amigos e curiosos não comentarem...

Nesse hiato, algumas coisas mudaram e outras continuam na mesma. O Botafogo, por exemplo, só empata e caminha tristemente para voltar à segundona no ano de seu centenário, apesar de achar que no fim vamos nos salvar está ficando conplicado... As moças também estão um pouco arredias, e olha que o meu nível de exigência vem caindo drasticamente! Na atual conjuntura só quero duas coisas: que a mulher seja Limpa (não me refiro a shampoos, cremes e sabonetes, naturalmente! Sim ao uso indiscriminado de psicotrópicos) e que goste da chamada "coisa dura" já que essas modas de lesbianismo e bissexualismo definitivamente não fazem a minha cabeça

::: Ficou meio esquisito! Acho que estou fora de forma...:::